Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bastardos

O país ergue-se indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão. Somos, socialmente, uma coletividade pacífica de revoltados. Miguel Torga, Diário IX

Bastardos

O país ergue-se indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão. Somos, socialmente, uma coletividade pacífica de revoltados. Miguel Torga, Diário IX

aeroporto.jpeg

Portugal anda desde o dia 8 de Março de 1969 a fazer estudos para a construção de um novo Aeroporto em Lisboa e desde aquela data ninguém sabe muito bem quanto é que já se gastou em estudos, projectos e consultorias que visaram 17 localizações distintas.

https://poligrafo.sapo.pt/fact-check/estado-ja-gastou-mais-de-70-milhoes-em-estudos-e-consultorias-para-escolher-local-do-novo-aeroporto

Finalmente, na anterior legislatura, PS e PSD chegaram a consenso para fazer uma Avaliação Ambiental Estratégica.

(https://www.publico.pt/2021/03/09/economia/noticia/governo-pede-prioridade-urgencia-parlamento-mudar-lei-aeroportos-1953693?utm_source=copy_paste)

Agora, depois da conquista da maioria absoluta por parte do PS nas últimas legislativas, Pedro Nuno Santos borrifou-se nos estudos, no ambiente e nas populações e decide avançar para a construção de 2 novos aeroportos. Não sabemos em que pressupostos foi baseada a decisão do Ministro, mas esperemos que não tenha sido por aquele método que utilizávamos na infância: o famoso pim-pam-pum!

O mais curioso da situação é que assim que o aeroporto de Alcochete estiver concluído, os outros serão desmantelados…!

Mas não é só nos aeroportos que se irá avançar com avultados investimentos (que parecendo que não, têm que ser pagos). Em Maio passado, Pedro Nuno Santos já tinha avançado com o TGV e na possibilidade de uma terceira travessia do Tejo. É que nós não queremos cá misérias!

(https://observador.pt/2022/05/09/concurso-para-linha-de-tgv-entre-lisboa-e-porto-avanca-em-2023-primeiros-trocos-concluidos-em-2028/)

(https://www.dinheirovivo.pt/empresas/ministro-das-infraestruturas-deseja-terceira-ponte-sobre-o-tejo-mas-ainda-nao-ha-financiamento-12915134.html)

E pensávamos nós que o Partido Socialista tinha alguma coerência.

Em 2007, Mário Lino, à altura Ministro das Obras Públicas, afirmou convicto que “Aeroporto na margem sul? Jamais!” (https://expresso.pt/dossies/diario/2020-02-24-Alcochete-jamais--Ha-dez-anos-esteve-para-acontecer--e-ha-quem-defenda-o-regresso-da-ideia-)

e António Costa, em 2015, anunciou com alarido que as grandes obras públicas só avançariam com a maioria de 2/3 do parlamento.

(https://expresso.pt/politica/2015-05-20-PS-quer-maioria-solida-de-2-3-no-Parlamento-a-aprovar-grandes-obras-publicas)

Em 2019, o Primeiro-Ministro reafirmava que não havia plano B para o Montijo e agora avança-se com uma solução diferente.

(https://poligrafo.sapo.pt/fact-check/e-verdade-costa-disse-que-nao-havia-plano-b-para-o-montijo-e-agora-apresenta-uma-solucao-diferente)

São demasiadas incoerências!

Mas nada do que se disse no passado agora importa, já que o Ministro das Infraestruturas parece que quer, pode e manda. Estará António Costa disposto a ceder ao magnânimo Pedro Nuno Santos, que se posiciona na sucessão à liderança do PS ou estará Pedro Nuno Santos a esticar demasiado a corda? Ou ainda, será tudo isto uma encenação?

 

Imagem: Henrique Monteiro (Henricartoon/SAPO)

9 comentários

Comentar post